quarta-feira, 21 de julho de 2010

Simplesmente Drummond!


Ontem a noite, folheando um dos meus livros , dei de cara com um poema que fez parte da minha juventude.Não que eu não seja mais jovem, mas falo de um tempo que ocorreu há uns 10 anos atrás. Trata-se de Morte do Leiteiro, de Carlos Drummond de Andrade. Na época da qual falo, aos meus 12, 13 anos, Drummond teve um papel muito importante: incentivou-me a um gosto apaixonado pela leitura. Entre os livros velhos que decoravam - e ainda decoram – algumas estantes da nossa casa na praia, havia um, ainda mais velho que os demais, com os melhores poemas do maior dos poetas brasileiros. Todo esse amor e devoção a leitura, é uma das muitas dádivas recebidas de minha mãe. Professora de literatura, poeta e amante da leitura, foi ela quem me apresentou o livro. A morte do Leiteiro é um dos mais bonitos, sobre a morte acidental e trágica de um leiteiro, vítima da intolerância de um país e de um mundo mergulhados no medo – o poema saiu no livro A Rosa do Povo, de 1945, quando o Brasil vivia a ditadura de Vargas e o mundo sofria os horrores da Segunda Guerra.

Verdadeiramente mais uma vez me emocionei, e quiz compartilhar com vocês todo esse prazer que eu sinto em ler. Aos que compartilham do mesmo sentimento e ainda não conhecem tao belo poema, fica aqui a dica de uma leitura gostosa de se ter, e em se tratando de Drummond o resto dispensa comentários!

Aproveitem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário